Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Skin Game

Blogue português escrito por uma profissional de farmácia e dedicado à dermocosmética.

Desmistificar os medos sobre protectores solares

Quem me segue já sabe que não é comum apontar dedos a bloggers ou vloggers em concreto, mas este domingo enviaram-me um vídeo de uma vlogger que conta com cerca de 40k seguidores no Youtube onde o nível de disparate era tão, mas tão elevado, que não vai dar para não fazer um post de seguimento. A Sara do Make Down comentou este assunto nas instastories e disse que ia fazer um vídeo, portanto estejam atentos ao canal dela (quanto mais informação, melhor). Ah, e não adianta pedir links ou perguntar quem foi a pessoa que publicou o vídeo, porque não vai acontecer. Se são bloggers, por favor tenham 2 dedos de testa e deixem de usar a desculpa de que só estão a partilhar opiniões - se se declaram como influenciadores, assumam que têm influência nas pessoas e parem de usar a desculpa das opiniões para a difusão de informação errada e perigosa para a saúde pública.

O vídeo em concreto pareceu-me ser sobre uma temática completamente diferente, mas eventualmente ela acabou por abordar a opinião dela sobre protectores solares, e é disto que vamos falar. Literalmente vou pegar em todo o disparate que foi dito naquele vídeo e explicar-vos porque não é assim. Porque a única forma de combater a desinformação é com informação concreta, portanto vamos lá a isto, gente.

 

"Não faz sentido usar protector solar"

Faz, porque embora a pele tenha mecanismos de defesa contra agressões externas, como a da radiação solar, não consegue de maneira nenhuma dar conta de todos os erros genéticos induzidos pela radiação. Em Portugal são detectados 1000 novos casos de melanoma todos os anos (dados da Liga Portuguesa Contra o Cancro) e na Austrália são detectados 30 casos por dia (dados do Melanoma Institute Australia - sim, o melanoma lá tem um instituto só para ele).

 

"São ingredientes que são extremamente agressivos para o nosso corpo, são extremamente tóxicos"

 Isto foi dito em relação aos protectores no geral. Na verdade pensei que a dita vlogger ia dizer que só se podiam usar os minerais porque eram os únicos que ela considerava seguros (que não é verdade, mas os meus standards com a estupidez alheia estão baixos o suficiente para aceitar isto como razoável). Mas não, aparentemente a dita criatura diz que todos os protectores são tóxicos e sabe-se lá mais o quê.

Se fizerem uma pesquisa na net por protectores solares e toxicidade vão ver um sem número de artigos e sites a dizerem que o protector solar anda a matar-nos aos bocadinhos. Um deles é a EWG, uma organização de gente completamente tresloucada que diz que tudo é tóxico, e que portanto obviamente diz que os protectores são tóxicos. Se por outro lado forem a agregadores de publicações científicas como o PubMed ou o ScienceDirect, percebem que não há indicadores nenhuns nesse sentido. Há um ou outro estudo que vão encontrar que questiona a informação disponível como insuficiente (porque ninguém se dá ao trabalho de investigar uma coisa sem grande fundamento), mas não há um estudo que indique que existe realmente a possibilidade de danos a órgãos por parte de ingredientes de protecção solar. A toxicidade que está realmente estudada em relação a protectores solares está relacionada com o impacto na vida marinha, não com toxicidade em humanos.

(mais informação sobre toxicidade de solares aqui)

 

"Dos primeiros ingredientes que aparecem é o petróleo"

Para começar, petróleo não é um ingrediente cosmético - já explicava a Make Down nas instastories que provavelmente a confusão virá do ingrediente listado como petrolatum, que em português é vaselina, derivada do petróleo, mas não é usada em protectores solares na grande maioria das fórmulas (não vou dizer que não é usada em nenhum porque realmente não sei, mas a ser será em doses baixas e nunca no topo da lista - que indicaria ser um dos maiores constituintes).

O único grande problema da vaselina, por ser derivada do petróleo, é mesmo por questões ambientais e não por toxicidade ou outra coisa qualquer. Lembrem-se sempre que a água também é usada para fazer cimento e construir casas e não é por isso que faz mal - os mesmos ingredientes podem ser usados em concentrações e fórmulas diferentes em contextos diferentes sem no entanto serem piores por causa disso.

(mais informação sobre a vaselina aqui)

 

"Não há necessidade de usar protector solar químico"

De todas as parvoíces que a dita criatura referiu ao longo do vídeo, esta é aquela que menos me chateia (porque ao menos deixa os protectores minerais de fora do saco). Para saberem mais acerca da diferença entre protectores solares minerais e orgânicos, vão a este post, mas vamos então falar de por que é que é importante usar uma combinação de protectores minerais e orgânicos.

A radiação solar é composta por um conjunto relativamente alargado de radiações diferentes (ultravioleta, visível, infravermelho) - para mais informação sobre as várias radiações, espreitem este post. Contudo, ao contrário do que se pensava há 20 anos atrás, não é só a radiação UV que provoca danos na pele, pelo que é importante proteger de todo o espectro da radiação. Vejam a imagem abaixo, relativa ao espectro da radiação solar, para perceberem que a radiação vai mudando de características e ainda é bastante diversificada.

solar-spectrum1.jpg

Portanto é importante que o protector solar vá proteger da radiação solar no seu todo. O problema aqui é que não há um único ingrediente que proteja de todo o espectro de radiação - vejam os gráficos a seguir.

latha6_jan2013.jpg

 

 

typical-absorbance-curves.gif

Para perceberem melhor os gráficos, cada linha corresponde a um ingrediente diferente que confere protecção solar e os picos que vêem correspondem à protecção solar que eles conferem relativamente às radiações. Isto significa que cada ingrediente protege melhor contra uma determinada radiação e por isso o ideal é combinar vários ingredientes diferentes para garantir que vamos conseguir proteger ao longo de todo o espectro de radiação. Assim, o ideal é uma mistura de protectores orgânicos com minerais.

Para referência, os protectores minerais estão no último gráfico, assinalados como TiO2 (dióxido de titânio) e ZnO (óxido de zinco). E sim, eles complementam-se e dão uma protecção bastante interessante, mas se podemos ter mais e melhor protecção, porque havíamos de não aproveitar?

(mais informação sobre os vários ingredientes de protecção solar aqui)

 

"Estou a utilizar óleo de coco como alternativa"

Depois de muita pesquisa, consegui encontrar uma fonte relativamente credível que indica que o óleo de coco protege contra 20% da radiação. Isto pode parecer muito à primeira, mas nos EUA só é considerado protector solar um produto que corresponda a um factor 15, que protege de 93% da radiação solar - e na verdade a recomendação dos dermatologistas é que se vá para pelo menos factor 30 que protege de 97% da radiação.

O óleo de coco pode ser usado em fórmulas como ingrediente hidratante e como forma de tentar aumentar um pouco a protecção solar, mas nunca, nunca, ser usado por si próprio. Não consegui encontrar um único estudo em que tenha sido avaliada a eficácia do óleo de coco como protector solar, e acreditem que com o mercado vegan e bio a bombar, se houvesse maneira de comercializar o óleo de coco como protector solar, ele já estava em todas as prateleiras com essa indicação. Contudo, a legislação europeia apenas permite comercializar um produto como sendo protector solar se tiver passado os testes standardizados de SPF, e portanto o óleo de coco nunca vai ser vendido como tal porque legalmente não pode fazer essa claim. Porquê? PORQUE O ÓLEO DE COCO NÃO CONFERE PROTECÇÃO SOLAR SUFICIENTE e portanto nunca irá passar esses testes.

42 comentários

Comentar post

Pág. 1/2