Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Skin Game

Blogue português escrito por uma profissional de farmácia e dedicado à dermocosmética.

Gravidez - produtos recomendados e o que não usar

gravidez-produtos.PNG

(actualizado em Fev 2019) - Nota: depois de saber que estava grávida soube que queria fazer a actualização deste post, mas optei por esperar quase pelo fim da gravidez para ter a certeza que cobria o máximo possível de problemáticas na gravidez. Está aqui a versão revista do post.

Ora bem, como sei que há pelo menos uma grávida a ler aqui o blogue (*acena à M*) decidi fazer um post para ajudar a orientar as grávidas que neste momento não sabem exactamente o que é que podem ou não usar. Eu bem sei que é mesmo muito complicado, porque toda a gente à vossa volta vai achar que sabe exactamente do que é que vocês precisam e que sabem muito mais do que vocês, além de todo um mundo cibernético para vos complicar ainda mais a vida. Se vieram parar a este post e estão grávidas, digo-vos o seguinte: dentro dos possíveis, tentem filtrar aquilo que ouvem. Este é mais um post, neste caso baseado na minha experiência em Farmácia, nas minhas aulas de dermocosmética e na minha própria gravidez e outras que fui acompanhando, mas sintam-se livres para discordar de mim ou para acrescentar a vossa experiência pessoal. Estamos todos aqui para aprender um pouco mais.

 

Dito isto, vamos àquilo que a maioria das grávidas pergunta: "Estou grávida, o que é que não posso usar em cosméticos?"

 

Se andaram à procura de coisas deste género, neste momento têm uma lista infinita de ingredientes que os vossos produtos não podem conter. Percebam, principalmente, que nem 10% do que está nessas listas vai fazer alguma coisa ao bebé, porque as pessoas são exageradas. Compreendam também que, se usaram algum ingrediente que "não deviam" e acabaram de descobrir que estão grávidas, está tudo bem - descontinuem o uso do produto na certeza de que se o teste deu positivo, então as coisas estão bem e vocês não fizeram mal ao vosso bebé.

Primeiro que tudo, vamos ter de nos lembrar que muitos dos efeitos adversos foram registados em animais e/ou em doses muitos mais elevadas e/ou por via oral/respiratória em vez de via cutânea. Portanto todos os efeitos nocivos que certas substâncias tenham registado não são necessariamente transladados para a aplicação cutânea em doses baixas como é o caso da grande maioria dos cosméticos. Ou seja, se encontrarem um sítio que diz que a substânia Y causa cancro do pulmão quando inalada em doses elevadas, não significa que essa mesma substância vá causar cancro do pulmão se aplicada em doses muito baixas na pele. A nossa pele existe para nos proteger e a grande maioria das moléculas, particularmente as de grandes dimensões, praticamente não chegam a lado nenhum.

Por outro lado, nas grávidas e visto que não são efectuados testes nessas condições, aplica-se uma abordagem de "mais vale prevenir do que remediar" e em caso de dúvidas viáveis sobre a segurança de uma substância na gravidez, opta-se por dar outra alternativa.

 

Vamos então à lista do que não devem usar:

  • Retinóides (pesquisar nas listas de ingredientes por tretinoin, isotretinon, retinol, retinal, retinaldehyde e retynil palmitate) - o risco foi estabelecido para a toma do produto e há alguns estudos que apontam para que a utilização tópica de fórmulas sujeitas a receita médica poderão ter algum efeito no desenvolvimento. Os restantes é apenas uma questão de zelo e em princípio não terão efeitos nocivos.
  • Alfa hidroxiácidos (pesquisar nas listas de ingredientes por glycolic acid, mandelic acid, lactic acid, malic acid, tartaric acid) - o principal problemas nestes ingredientes é que poderão potenciar o aparecimento do cloasma gravídico por permitirem uma maios exposição das camadas inferiores da pele à radiação solar. O ideal é descontinuar ou baixar a percentagem nos meses mais quentes. Nota: o ácido cítrico é muitas vezes usados como corrector de pH nas formulações, vindo no fundo da lista de ingredientes, pelo que a quantidade a que se expõem nesse tipo de casos é absolutamente irrelevante.
  • Beta hidroxiácidos (pesquisar nas listas de ingredientes por salicylic acid ou ingredientes que contenham salicylate) - apesar da capacidade de penetração ser praticamente nula, a maioria dos médicos opta por desaconselhar o uso de ácido salicílico por via tópica. Havendo alternativas a produtos com este ingrediente, o ideal é optar pela alternativa.
  • Hidroquinona (pesquisar por hydroquinone) - estabelecido e relevante. Se fazem hidroquinona por prescrição médica, devem descontinuar o seu uso e falar com o médico para que sejam sugeridas alternativas.
  • Ácido kójico (pesquisar por kojic acid) - precaução, há discordância de opiniões, eu opto por não dar porque existem outras alternativas bastante viáveis.

 

Já vi listas que incluem coisas como o ácido hialurónico, alguns protectores solares (particularmente o octocrileno), alumínio e parabenos. Nestes casos não há estudos que fundamentem a proibição, pelo que aconselho-os regularmente e só os citei aqui para não acharem que era uma possível falha de informação.

 

Vamos então à segunda pergunta: "Estou grávida, o que é que devo usar?"

 

Aqui as palavras-chave são hidratação e protecção solar. Não existe um único produto que seja necessariamente melhor do que os restantes, mas na imagem que ilustra o post deixei-vos algumas alternativas.

 

Hidratação e anti-estrias

Usem aquilo com que se derem melhor, desde que o usem frequentemente, não só para evitarem o aparecimento de estrias na gravidez mas também porque dá uma grande sensação de conforto à pele e ajuda a reduzir exponencialmente a comichão na barriga nas fases em que ela cresce mais. Não vos vai servir de nada comprarem o creme super caro daquela marca famosa se, por ser tão caro, usarem tão pouco que depois não vêem resultados. Nesse caso, se precisarem de um estímulo à hidratação em quantidade, gosto particularmente de aconselhar a loção hidratante da CeraVe, que existe em vários tamanhos e é muito acessível, tendo mesmo uma embalagem de 1L.

Se preferirem a abordagem dos óleos, e para perceberem que vale mesmo tudo, até podem usar óleo de amêndoas doces. É o que vos digo, vale tudo desde que mantenham a pele hidratada. Se quiserem algo mais específico, têm também o Bio-Oil, adorado por uma imensidão de grávidas pelo mundo fora.

Se, por outro lado, valorizam os hidratantes com uma base científica por trás, então aconselho-vos o Woman Isdin (antigo Velastisa), que tem um trabalho publicado sobre este produto que é bastante interessante e tem uma composição mesmo muito boa. Como nota, foi o que escolhi utilizar na minha gravidez.

No caso de terem muita comichão na barriga, aumentem a quantidade de creme que aplicam ou aumentem o número de aplicações por dia. Se não quiserem gastar muito anti-estrias, por exemplo, alternem com uma boa loção hidratante (aplicam o anti-estrias pelo menos uma vez por dia e nas restantes aplicações usam o hidratante normal). Caso já estejam a fazer várias aplicações por dia e o prurido se mantenha, espreitem o bálsamo calmante da Mustela.

 

Prevenção de manchas (melasma/cloasma gravídico)

A melhor forma de prevenção é a protecção solar. Ponto. Aqui não têm hipótese. Usem e abusem dos filtros solares elevados porque é por aí que vocês podem prevenir da melhor forma essas manchas. Já sabem que em protectores solares eu sou toda pela Isdin, mas outra alternativa muito interessante é o Sesderma Azelac RU Fluido Luminoso. De qualquer forma, desde que usem o protector solar, não têm de optar por um especificamente anti-manchas, têm é de usar o protector diariamente. E não se esqueçam que as manchas não aparecem só no rosto, portanto comecem a aplicar protector solar no corpo se não for já hábito vosso. Diariamente.

Se quiserem dar uma ajuda extra à prevenção, um produto que habitualmente funciona às mil maravilhas com grávidas é o sérum Vinoperfect da Caudalie ou o Pigment Zero da Martiderm. Apliquem-no todas as manhãs antes do hidratante habitual, a seguir ao qual vem obrigatoriamente o protector solar. Sim, eu sou chata, deixem-me.

 

Pernas cansadas

Com o avançar da gravidez, é normal as grávidas apresentarem pernas cansadas. O vosso melhor amigo nisto serão as meias de descanso/compressão aconselhadas pelo vosso médico (por favor não saltem este passo, eu sei que aquilo é uma chatice para calçar, em particular com uma barriga de grávida, mas é mesmo para o vosso bem). Se quiserem acrescentar algo à vossa rotina em termos de cosméticos, a MartiDerm tem o LegVass que é particularmente indicado nestas situações.

 

Mamilos

Existem várias alternativas para cuidar desta zona. Eu gosto particularmente de aconselhar o Purelan da Medela ou a lanolina da Lansinoh em mães que planeiam amamentar, pois uma vez que é só lanolina, não tem de ser retirado do mamilo na hora de amamentar. Por outro lado, não tem os benefícios calmantes e anestesiantes de outras opções, por isso vai sempre depender daquilo que precisam quando tiverem o vosso bebé convosco. Contudo, na fase de gravidez o Purelan é mais do que suficiente caso sigam o conselho de colocar creme nos mamilos durante a gravidez. Há enfermeiros que aconselham e outros não, é uma questão de opção.

 

Acne na gravidez

Infelizmente muitas pessoas passam por crises de acne na gravidez e a grande maioria dos tratamentos clássicos para a acne não são recomendados nesta fase. A abordagem aqui é de controlo e não de tratamento - vamos deixar o tratamento para depois do bebé nascer, sendo que muitas vezes se resolve por si próprio.

Costumo aconselhar uma higiene com um produto suave que não deixe a pele seca e sou muito parcial à utilização de uma boa máscara de limpeza como a Esthederm Osmoclean Deep Pore Cleanser. Tem um método de utilização um pouco estranho, mas vale a pena cada minuto. Em termos de hidratante, o ideal é usar algo simples como o Bioderma Sébium Global.

 

Sangramento das gengivas

Com o aumento do volume sanguíneo durante a gravidez é muito comum haver sangramentos mais frequentes. O ideal é optar por uma escova macia e uma pasta de dentes que ajude a proteger a integridade das gengivas. Por normal gosto muito da Parodontax.

Transferência de produtos entre embalagens

Existem diversos motivos que nos levam a transferir um produto da sua embalagem original para outra embalagem, entre eles o transporte de produtos em férias/viagens (que geralmente exige embalagens mais pequenas), ou o facto de não nos darmos bem com a embalagem original, etc. Só que a verdade é que existe alguma ciência nisto de transferir substâncias entre embalagens. Perdoem-me este post que é quase um tratado, mas prometo que vão ficar a saber algumas coisas importantes se o lerem todo.

 

Embalagem sem resíduos de outros produtos e limpa

 

Esta é lógica, certo? Só que temos de ver o que é o conceito de limpo neste caso... geralmente são produtos que vão ser utilizados na pele, certo? Aquilo que vos aconselho é que lavem muito bem a embalagem, eliminando resíduos de óleos e afins que pudessem estar contidos na fórmula anterior. Depois, passem muito bem por água para eliminar resíduos do produto que usaram na lavagem e, por fim, deitem um pouco de álcool, assegurem-se que atinge todos os pontos da embalagem e deixem evaporar. Uma vez que apenas o contacto prolongado com álcool danifica alguns tipos de plástico (nomeadamente o 1, 3, 6 e 7) e não danifica o vidro, esta lavagem rápida com álcool não deverá alterar a embalagem.

Nota: Na desinfecção do que quer que seja utilizando álcool, usem sempre, sempre álcool a 70º ou 70% (geralmente o da embalagem amarela) porque é o único que funciona como desinfectante. O álcool a 96º (que geralmente tem embalagem azul) não é um antimicrobiano mais poderoso só por ser mais concentrado, na verdade este álcool é realmente bom é para assar chouriço e pouco mais. Resumindo o mecanismo de acção, o álcool torna a membrana das bactérias permeável à água, fazendo com que entre água dentro delas e elas rebentem. Para isso é preciso que haja água suficiente para elas rebentarem, e isso só existe no álcool a 70º (em que 30% é água, ao contrário dos 4% do álcool a 96º).


Embalagem nova feita de material igual à original

 

Eu bem sei que esta não é fácil, mas é uma que realmente exige atenção. Uma pequena historinha relativamente a este facto: uma vez abri uma embalagem de amostra de um óleo e, como não o usei todo, deitei o que sobrou num potinho da TBS. Uns dias depois, quando fui limpar a casa de banho, notei que havia óleo por todo o lado à volta desse potinho. O que tinha acontecido? O óleo tinha corroído o plástico, tinha aberto um furo e tinha-se espalhado pela superfície.

Pronto, isto apenas para vos explicar que é um cuidado realmente necessário. O problema maior aqui é que, ao contrário do que aconteceu no meu caso, muitas vezes as alterações da embalagem e/ou do produto nela contido não são visíveis, ou seja, quem olhar para o produto até pensa que não houve qualquer alteração e pode continuar a utilizá-lo. Só que... o material da nova embalagem pode reagir com o produto que lá pusemos dentro e pode inactivar os compostos. Ou pior, pode modificá-los de tal forma que podem tornar-se prejudiciais à pele. E esta alteração pode dar-se em menos de 24h, por isso mesmo que pensem que é só para levar numa viagem de 2 dias, tenham cuidado.

Os produtos cosméticos são geralmente embalados no material mais adequado àquele produto, ou seja, num material que não reage com ele. Portanto aqui a regra é olhar para a embalagem e ver o que temos. Se a embalagem for de vidro, a forma mais segura é arranjar uma outra embalagem de vidro. Se for de plástico, já dá mais trabalho. Certamente conhecem aqueles símbolos no fundo das embalagens de plástico que geralmente são usados para fazer a separação e reciclagem. Pois são mesmo esses números que vamos utilizar, pois eles correspondem ao tipo de plástico que é utilizado na embalagem. Assim, os produtos contidos em embalagens com o símbolo 1, têm de ser colocados noutras embalagens que apresentem o mesmo símbolo e por aí fora.


Opacos vão para opacos

 

Já acabámos? Não, ainda há mais uma questão a ter em conta: alguns produtos são inactivados pela luz (o exemplo mais comum é o da Vitamina C, que é transformada pela luz e perde a sua actividade). Estes produtos são geralmente embalados em materiais opacos de modo a evitar a degradação por parte da luz. Por isso, por prevenção, todos os produtos que estejam embalados em materiais opacos ou vidro acastanhado (que é o chamado vidro âmbar tipo III e evita que a radiação chegue ao produto e o altere), têm de ser transferidos para materiais semelhantes. Bem sei que muitas vezes não é possível encontrar estes materiais opacos com facilidade, por isso deixo-vos um truque que se aprende em farmácia: quando não há material que proteja da luz, enrola-se a embalagem em papel de alumínio.


Nunca misturar produtos

 

Esta é uma recomendação final, que sei que muita gente opta por não cumprir, mas se eu escrever isto, pelo menos sei que fiz a minha parte ao avisar: não misturem produtos. Misturar dois tons da mesma base, por exemplo, não deve ter qualquer problema porque o que geralmente muda é apenas a quantidade de pigmento ou o tipo de pigmento, mas misturar dois produtos diferentes é decididamente um NÃO.

Imaginem apenas que se um óleo conseguiu corroer completamente o plástico do potinho TBS em poucos dias, imaginem o que dois produtos com ingredientes activos podem fazer entre si... Desde formarem substâncias novas por reagirem entre si (que podem ser prejudiciais para a vossa pele), a inactivarem-se mutuamente ou mesmo a nível de contaminação microbiana, porque os conservantes de um produto estão preparados para proteger aquele produto, não estão preparados para proteger uma mistura daquele produto e outra coisa qualquer. Se os cosmetologistas já têm dificuldades em misturar substâncias e fazer com que tudo corra bem (e eles sabem o que estão a misturar e quais as suas propriedades e com que substâncias aquele material reage), o comum humano terá certamente muitos mais problemas ao fazê-lo.

Serge & Bacchus - produtos para a barba feitos em Portugal

sergeandbacchus_oleo_condicionador_barba.PNG

 

O Telmo, que já me tinha apresentado a Barba Brada (e que é meu amigo há muitos anos e sabe perfeitamente que adoro descobrir coisas destas), indicou-me hoje outra marca de produtos para a barba feitos em Portugal. E como os homens da minha vida insistem que não há aqui posts suficientes dedicados a homens, aqui fica mais um (mas vocês sabem que quando eu falo de tipos de peles, não estou so a dirigir-me às mulheres, certo?).

 

A companhia tem uma filosofia muito aberta e dedica-se aos produtos como uma paixão. Deixo-vos o que eles têm a dizer sobre si próprios, porque acho que diz muito sobre eles e sobre a marca que querem ser:

Nós somos dois amigos, do tempo da faculdade, que ao longo dos anos se perdeu num mundo de empresas e empresários a preto e branco, sem respeito: pela sua comunidade, pela individualidade dos seus colaboradores, e muito menos pelos seus desejos ou sonhos.
Então começamos a idealizar uma F*cking Awesome Brand. Uma poderosa o suficiente para deixar marca e, ao mesmo tempo, compartilhar com os mundo o que melhor tem Portugal para oferecer.
A Serge & Bacchus é essa marca. O nome foi influenciado pela lenda dos dois mártires romanos para inspirar as pessoas através de uma declaração de liberdade, paixão, amizade e respeito.

 

Neste momento não tenho possibilidade de vos transmitir feedback sobre os produtos, mas daquilo que consigo ver da composição (obrigada por incluírem a lista de ingredientes no site, uma pessoa fica cansada de ter de pedir listas de ingredientes) parecem produtos extremamente interessantes.

 

Além dos já conhecidos óleos para a barba (dispõem de quatro, todo eles com composições diferentes), têm também dois condicionadores para a barba para serem usados no banho, dois champôs e um sabonete.

(vá, nós sabemos que usar sabonete é coisa de homem de barba rija, mas a ideia aqui não era ter uma barba fofinha? Usem os champôs em vez do sabonete, comportem-se!)

 

Os meus destaques vão para dois dos óleos e para os dois condicionadores, que se encontram na imagem que ilustra este post.

  • óleo Tangerine and Cedarwood - citrinos + madeira é uma combinação feita no céu para perfumar os homens na terra. Portanto obviamente que este seria o primeiro destaque. Na sua composição tem óleos de jojoba, de grainha de uva, de cedro e de tangerina, além de Vitamina E (antioxidante).
  • óleo Ylang Ylang e Patchouli - esta parece-me ser uma combinação perfeita para dias de inverno, em que uma barba fofa com um leve aroma picante é tudo o que uma pessoa quer à beira da lareira. Hey, estamos numa de ser honestos, certo? Gosto dos meus homens com barba, não há nada a fazer quanto a isso. E digo no plural porque, apesar de só ter um namorado, sou da forte opinião de que todos os outros homens da minha vida ficam melhor de barba (irmão, pai e amigos).
  • condicionador de barba Orange and Rosewood - cheio de ingredientes hidratantes, este condicionador é ideal para as barbas mais secas que têm tendência a ficar com pontas espigadas. Se estão a tentar deixá-la crescer e vêem-se a braços com a tarefa de a aparar com mais frequência do que gostariam, então esta pode ser a solução.
  • condicionador de barba Sage and White Tea - para as barbas que sofrem de problemas de oleosidade excessiva por causa da pele oleosa que se encontra por baixo, este condicionador pode dar uma ajuda. Além de ingredientes hidratantes, tem também extracto de salva que ajuda a regular a produção de sebo.

 

Actualmente a marca vende apenas na loja online, mas podem também encontrá-los no Facebook. Para os meninos da Serge & Bacchus, se algum dia virem este post, obrigada por se dedicarem a este ramo e obrigada por, no vosso site, escreverem coisas como "irá deixar a tua namorada/namorado doido pela tua barba". O mundo é um bocadinho mais bonito com igualdade.

Em que produtos devo investir?

Depois de vos ter falado nos tipos e estados de pele e de vos ter explicado por que ordem devem aplicar os produtos nas vossas rotinas diárias, agora é altura de vos falar um pouco de onde devem investir o vosso dinheiro em termos de dermocosmética. Acreditem que eu sei o que é estar perdida neste mundo, se há cinco anos atrás me dissessem que eu iria saber a quantidade de coisas que sei sobre DC eu não iria acreditar, portanto não faz tanto tempo assim que eu era mais uma alma crente no marketing e disposta a dar mais dinheiro do que um produto valia, mesmo que não fosse para o meu tipo de pele ("ah, já ouvi falar bem deste produto, a rapariga tem pele seca e eu não, mas ela falou tão bem dele que deve ser mesmo bom" --> os maiores disparates que já fiz na vida aconteceram mais ou menos assim).

 

A questão na dermocosmética é que nunca sabemos bem para onde nos virar. Para o supermercado, que promete preços baixos e eficácia equiparável aos produtos que custam 10x mais? Para a farmácia, onde esperamos encontrar produtos de tratamento para problemas específicos e/ou pele sensível? Ou para a cosmética selectiva vendida em perfumarias que promete uma experiência e uma qualidade inigualáveis? A verdade mais absoluta que vos posso dizer neste caso é: depende do produto. Hoje em dia não se aplicam as questões de que acabei de falar. A farmácia não vende exclusivamente produtos de tratamento, os produtos de supermercado não são necessariamente baratos, a cosmética selectiva não é inigualável a preços bastante inferiores. E não vos posso sequer falar de marcas, porque mesmo dentro de cada uma delas há produtos certeiros e outros que me fazem querem dar com a embalagem na cara do responsável pela marca. Pessoalmente opto quase sempre por produtos de farmácia ou de cosmética selectiva (gamas mais acessíveis como Clinique ou Clarins).

 

Dito isto, e para não me dispersar mais, deixo-vos algumas indicações gerais de produtos onde devem investir o vosso dinheiro e em que produtos só valerá a pena insistir se gostarem de os usar. Em breve conto escrever sobre os ingredientes mais falados, para perceberem um pouco por que é que vale a pena investir em produtos que os contenham, mas por enquanto vamos a tipos de produtos.

 

Invistam:

  • sérum - se tiverem o orçamento extremamente limitado, mas conseguirem investir num produto, é no sérum que vão querer fazê-lo. Ao contrário do que acontecia há 10 anos atrás, em que os cremes hidratantes eram reis e senhores da eficácia de tratamento, hoje em dia os séruns são vistos como muito mais importantes, uma vez que a sua composição passa geralmente por uma fórmula simples com maior poder de penetração e uma maior percentagem de ingredientes activos. É aqui que vão veicular os ingredientes que realmente farão algo pela vossa pele, qualquer que seja a sua condição, por isso se querem investir em algo, vai ter de ser no sérum. Se possível, tenham um sérum para cada tipo de necessidade da vossa pele, eu uso diariamente um para a pele desidratada (com ácido hialurónico) e um antioxidante (com Vit C) que serve também como prevenção do fotoenvelhecimento.
  • agente de limpeza - também conto fazer em breve um post sobre os vários tipos de agentes de limpeza que existem (ou preferiam um vídeo? Avisem-me nos comentários ou por redes sociais), mas vocês precisam de algo que realmente limpe a pele sem a agredir e sem deixar resíduos. Com isto não quero dizer que devem ir a correr comprar um agente de limpeza que custe 40€ (se bem que se puderem e quiserem mesmo comprá-lo, força nisso, vejam é se é de qualidade antes de o comprarem). Mas quero dizer que o agente de limpeza não pode ser o primeiro que agarrarem ou aquele que estiver mais barato "até porque é para limpar a cara e todos eles fazem isso". Há coisas bastante boas por menos de 10€, mas por favor não agarrem no primeiro que vos aparecer.

 

Invistam caso haja mais algum orçamento:

  • protector solar - considerando que a ideia aqui é proteger a vossa pele, aconselho sempre a que invistam um pouco mais num protector solar. Além disso, se usarem habitualmente maquilhagem, vai servir também de base para ela e isso traz logo diferenças (geralmente os protectores solares com nanotecnologia são os mais fáceis de usar por baixo da maquilhagem por não terem a consistência típica de um protector solar).
  • tónico funcional - ele diz "funcional" por alguma razão. Mais de 80% dos tónicos à venda são absolutamente inúteis e só servem no caso de vocês gostarem mesmo de os usar por algum motivo. Mas saibam que o mais certo é que ele não esteja a fazer nada à vossa pele. Optem antes por tónicos esfoliantes (com alfa hidroxiácidos como o ácido glicólico ou láctico ou beta hidroxiácidos como o ácido salicílico) ou com ácido hialurónico e vão ver que há realmente uma alteração notória. Ou até uma água termal enriquecida como o Serozinc. Contudo, considerando que o tónico é considerado actualmente como um passo extra, sintam-se livres de excluí-lo completamente da vossa rotina se virem que o orçamento não dá para tudo.

 

Então e os cremes hidratantes? Bem, eu considero o creme como uma maneira de fornecer nutrientes extra à pele, mas actualmente com a existência de séruns não há grande necessidade de investir num super creme hidratante, porque o seu poder de penetração vai ser muito inferior.