Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Skin Game

Blogue português escrito por uma profissional de farmácia e dedicado à dermocosmética.

Notas soltas - Os melhores sítios no Porto para comer

Estava aqui entretida a fazer uma lista dos meus sítios preferidos para comer no Porto e ocorreu-me que seria giro fazer disso um post. Parece que vocês concordaram no Facebook, por isso aqui vai! Separei por três categorias e os pratos possivelmente são muito específicos, mas são aquelas coisas que gosto de comer. Já sabem, a caixa de comentários é vossa e sugestões aceitam-se!

 

IMG_20160619_174008.jpg

 

Pequeno-almoço e lanche

 

- Torrada: Amarelo Torrada (Porto)

- Scones: The Bird (Porto - Foz)

- Pão: Broas e Broinhas (Gaia - Canidelo)

- Brunch: A Loja dos Pastéis de Chaves (Porto - Baixa)

IMG_20160409_124323.jpg

 

Almoço e jantar

 

- Hamburguer: Real Hamburgueria (Porto - Cedofeita) ou DeGema (Porto - Baixa)

- Francesinha: Brasão (Porto - Baixa)

- Arroz de pato: PortoBeer (Porto - Boavista)

- Ramen: RO (Porto - Baixa)

IMG_20170208_210322.jpg

- Sandes: A Sandeira (Porto - Baixa)

- Focaccia: Reitoria (Porto - Baixa)

- Carne grelhada: Belos Aires (Porto - Miragaia)

- Cachorros: Gazela (Porto - Batalha)

IMG_20160609_191246.jpg

- Peixe grelhado: Casa do Pescador (Gaia - Afurada)

- Pizza: Pulcinela (Matosinhos Sul) ou Forneria de S. Pedro (Gaia - Afurada)

- Italiano: Pulcini (Leça da Palmeira)

- Sushi: Sushiaria (Leça da Palmeira) ou Domo (Porto - Baixa)IMG_20160305_220905.jpg

- Indiano: Mendi (Porto - Boavista) ou Indi Go para fast food (ArrabidaShopping ou ViaCatarina)

- Frango assado: Icarai (Porto - Baixa)

- Bife de atum: Champanheria da Baixa (Porto - Baixa)

- Ceviche: Ceviche & Poké Bowls (Mercado Bom Sucesso)

IMG_20161020_195335.jpg

 

Doces

- Tarte: tarte de limão no Torreão (Porto - Virtudes), tarte de amêndoa na Padaria Ribeiro (Porto - Baixa)

- Bolo de chocolate: Jivara da Algo by Colonial (Porto - Mercado Bom Sucesso)

- Croissant: Boémia Caffé (Porto - Boavista)

- Brigadeiros: Bella Brigaderia (Leça da Palmeira)

IMG_20161029_171154.jpg

- Gelado: Santini (Porto - Baixa)

- Pavlova: Miss Pavlova (Porto - Baixa)

- Waffles: Waffle Spot (MarShopping)

IMG_20160419_211048.jpg

 

 

Notas soltas - Fevereiro 2017 parte 2

Na onda de "coisas que ando a ver/ler/ouvir" nos últimos tempos (e que eu sei que já houve muita gente a pedir-me para fazer com mais frequência, deixo-vos os filmes, séries e livros que me têm ocupado o tempo recentemente.

 

filmes.PNG

Temos andado a correr para o cinema (na semana passada fomos 3 vezes) para tentarmos ver os filmes mais falados do momento. Ao contrário do que tenho visto por aí, eu adorei de paixão o La La Land - não explico porquê porque teria de entrar em spoilers e não faço disso. O Moonlight é incrível e o Lego Batman também (já sentia falta de me rir com gosto durante um filme inteiro). Lion, Hidden Figures e 20th Century Women são bons, mas não me convenceram por aí além. Ainda vamos tentar ver o Fences e o Trainspotting 2 num futuro próximo, vamos lá ver se conseguimos.

 

series.PNG

Decidimos apostar no Netflix em conjunto com o meu sogro e desde então que tenho visto séries umas atrás das outras.

Comecei por ver o que me faltava de Downton Abbey e de Call the Midwife, que tinha deixado de ver porque passei praticamente a ver apenas séries que conseguia gravar na box. A questão é que é tão fácil agora levar o iPad para a cozinha e ver séries enquanto estou a cozinhar, que tenho visto umas atrás das outras. Algures pelo meio destas duas séries vi The Crown, que adorei, e comecei a ver Outlander mas parei porque o namorado decidiu que queria ver comigo. Estou agora a ver Reign, mas começo a ficar farta de ver adolescentes histéricas e de não ver nada da Escócia, por isso é provável que abandone no fim da primeira temporada. Sim, eu papo séries históricas como se não houvesse amanhã, é a vida.

No que diz respeito à série mais espectacular dos últimos tempos, o prémio vai para This is Us. A sério, aquilo é incrível. Os diálogos, a caracterização das personagens, a história... preparem-se é para agarrar nos lenços, que até agora acho que só houve um episódio em que não chorei (e não é um chorozinho bonito de uma única lágrima a cair no calor do momento, estamos a falar de soluçar com vontade e ficar toda ranhosa).

Eu sei, eu sei que estavam à espera que a série que eu disse que era a coisa mais espectacular de sempre fosse Westworld. E é, a série é incrível, mas existe todo um problema com o facto de eu ficar seriamente afectada por pessoas notoriamente más que me levou a ter muito pouca vontade de passar do segundo episódio - nem sei como sou Ravenclaw, eu nasci para ser Hufflepuff. Felizmente passei e terminámos a primeira temporada cheios de vontade de ver muito mais.

Para quem não sabe, eu adoro cozinhar, por isso o Masterchef é paragem obrigatória cá em casa e descobri o Chef's Table por indicação de um amigo nosso. Claro que o primeiro episódio é dedicado a um chef de Modena e agora só quero ir a uma fábrica de parmesão... Estão a ver a maneira como as pessoas correm para a mesa do marisco nos casamentos? Eu faço isso com a dos queijos.

 

livros.PNG

Por fim, os livros. Acho que já tinha mencionado algures por aqui que, por muito que adore ler, não o consigo fazer em transportes públicos porque enjoo - o que é uma carga de trabalhos considerando que agora passo mais de 1h por dia neles. Portanto o que tenho feito é recorrer a audiolivros. Os últimos foram Still Alice (adorei e recomendo muito, mas leiam-no numa fase em que não andem mais em baixo, porque senão isto vai arrastar-vos) e o The Hundred-Foot Journey (óptimo filme, livro completamente horroroso que devia ter abandonado nos primeiros capítulos e foi uma pura perda de tempo). Ontem comecei a ouvir o Hobbit e estou apaixonada pela narração do Rob Inglis.

Em termos de livros físicos, tenho lido BD, nomeadamente Descender (eu sei que estão fartos de me ouvir dizer isto, mas a saga é mesmo, mesmo boa), Lazarus (recomendado para compensar a ausência de Descender) e World of Wakanda, um spinoff do Black Panther. Tudo ótpimo, tudo imensamente recomendado. Também recomendaria Iron Man, mas já acabou e ainda não li os novos, por isso não sei se tem sido alguma coisa de jeito ou não. 

 

E é isto, minha gente. Aceitam-se recomendações de audiolivros e séries no Netflix!

Notas soltas - Janeiro 2017

Ainda estou viva. Bom Natal, Feliz Ano Novo e tudo e tudo. Era suposto eu ter vindo cá mais cedo, há pelo menos um mês, mas a vida parece que não deixa. Não sei para onde foi o mês de Dezembro porque perdi-me no meio de tanta coisa que tive de fazer e tanto sítio onde tive de estar. Digam-me pf que também não sabem para onde foi o vosso mês de Dezembro, não me quero sentir desacompanhada.

 

Bem, actualizações relevantes: já há algum tempo que andava a pensar nisto e parece-me que vou ter de avançar com mini reviews de produtos. Eu tenho TANTA coisa para vos mostrar e não consigo dedicar o tempo necessário a uma review completa. A questão é se faço na mesma um post por cada mini review ou se as agrupo (2-3 de cada vez, não mais). Digam-me de vossa justiça, agrupo-os ou faço na mesma um post por cada mas em versão curta? Sinto que não vos estou a mostrar tanta coisa gira que tem aparecido por cá e ao mesmo tempo não consigo sentar o rabo na cadeira e perder meia hora a escrever só sobre um produto porque sento-me à frente do PC e começo a pensar "escolho qual? Mas aquele outro também é tão fixe. Mas não tenho tempo para tudo. Não tenho tempo para nada. AAAHHHH" e saio da frente do PC sem escrever nada. Já para não falar em fotos. Não vamos falar de fotos senão deprimo.

 

Então Ana, e por que raio estás com tão pouco tempo livre? Bem, para começar tenho um trabalho novo desde o início de Dezembro que me obriga a deslocações de 40 minutos para cada lado. A parte extremamente positiva disto é que desde Dezembro já terminei 3 audiolivros e já estou a ouvir o 4º. An Astronaut's Guide to Life on Earth, How I Killed Pluto and Why it Had it Coming, The Princess Diarist e agora Born a Crime (que eu sei que há por aí malta que gosta de saber o que leio - ou ouço - e recomendo-os todos com muita vontade). Já vos estou a ouvir a perguntar "ai mas por que raio mudaste de trabalho se tinhas o trabalho perfeito?" - a sério, recebi mesmo muitos e-mails de colegas a perguntarem-me como tinha conseguido o trabalho na empresa anterior, porque era exactamente aquilo que queriam fazer. Bem, porque descobri um trabalho melhor, porque me apresentaram uma boa proposta e porque tenho 28 anos e se há altura para andar a procurar coisas novas é agora e não daqui a 20 anos.

 

A outra questão é que parece que toda a gente quer marcar coisas desde dezembro. Não me estou a queixar, estou só a rezingar um bocadinho, porque é bom ter pessoas que querem estar connosco. Mas entre família de ambos, amigos, compras de Natal, Natal, Comic Con e Ano Novo, o tempo foi todo preenchido por coisas fora de casa ou dentro dela juntamente com mais 10 pessoas. E não, o casamento não é minimamente culpado, acho que a primeira coisa que vamos fazer desde Outubro é ir à Exponoivos este fim de semana (vantagens de marcar com tanto tempo de antecedência). Aliás, a única razão pela qual estou a escrever este post agora é porque estou a ignorar o caos absoluto que está esta casa, a ignorar a pilha de louça suja e porque não fui ao ginásio por não ter tido tempo de fazer a depilação (TMI, desculpem, mas é este o estado em que as coisas estão).

 

Portanto, resumindo (e se chegaram até aqui, gosto muito de vocês): digam-me de vossa justiça quanto às reviews, porque tenho mesmo muita coisa gira para vos mostrar. E vou tentar organizar isto melhor assim que parar de entrar em pânico por não conseguir escrever reviews. Ah, e a minha mãe ofereceu-nos uma Bimby, isso deve ajudar a poupar algum tempo (ainda estamos na fase em que a Bimby diz que o próximo passo demora 12 minutos e nós ficamos a contemplar aquilo deslumbrados em vez de aproveitar o tempo para fazer outras coisas).

Notas soltas: da (ir)responsabilidade das bloggers

Eu sei que tenho um post de produtos com Vitamina C para escrever, mas vai ter de ficar para amanhã. Hoje é dia de rant, mas prometo que retomamos a programação habitual amanhã (ou hoje ao fim do dia se conseguir escrever na hora de almoço).

 

Para vos dar algum contexto, o que me fez escrever este post hoje foi mais uma "influencer" americana a dizer disparates. Não é que tenha dito algum disparate monumental que tenha posto vidas em risco, mas disse disparates e teve milhares de comentários de gente supostamente em choque com a informação que ela providenciou, supostamente baseada num estudo científico que na verdade é um livro escrito por pessoas que não têm qualquer tipo de experiência com ciência. E é assim que se criam mitos urbanos e se espalha a desinformação.

 

E agora dou-vos o meu outro contexto, um a nível pessoal. Uma vez num evento de bloggers estava com um grupo de pessoas com quem nunca tinha estado (a velha guarda das bloggers do Norte parece ter sido largamente substituída por malta 10 anos mais nova e não conhecia uma única pessoa por lá). Estávamos casualmente a discutir a influência que as bloggers têm e eu pensei que estávamos mesmo a ter uma discussão séria - tentei introduzir a temática da responsabilidade que vem com essa capacidade de influenciar pessoas. E se eu já era um bocado olhada de lado naquele evento porque não faço parte do grupo actual e hip de bloggers cá do Norte, juro que não vos consigo descrever os olhares que recebi nesse momento. Uma espécie de "o que é que estás para aí a dizer?!" com um "olha esta a armar-se". Desisti nesse momento de continuar aquela conversa, fiquei só a ouvi-las comentar como era fixe o facto das pessoas dizerem que tinham comprado as coisas de que elas tinham falado (e de como eram fixes por isso) e acabei por me vir embora mais cedo do evento, porque não estava ali a fazer nada.

 

Muito honestamente, não consigo perceber este desligamento da realidade que muita gente parece experienciar quando percebe que tem capacidade de influenciar pessoas. A única coisa que muita gente passa a ver, é como pode "vender" produtos às pessoas que a seguem. Antes que tirem conclusões precipitadas deste texto, eu não estou a dizer que todas as bloggers fazem isto, não arranjem confusões onde elas não existem. Mas o certo é que vejo muita gente preocupada em ser influenciadora, mas não preocupada em ser boa influenciadora.

 

Falo por mim, geralmente recebo emails/mensagens de leitores numa base quase diária, além dos comentários em posts e redes sociais. Eu sei que tenho o poder sobre as pessoas de as levar a comprar produtos - aliás, é muitas vezes nesse sentido que me contactam, para que as ajude a escolher. E sei que o fazem porque depois há umas fofis que me enviam email a contar o que compraram e que resultados obtiveram, outras que contam a amigas que depois me vêm contactar também. Agora, a questão aqui é que no momento em que a pessoa deposita confiança em mim, eu sinto que tenho de cumprir. Sinto que aquela pessoa que me está a contactar está a fazê-lo com esperança que eu a possa ajudar. Também sei que muita gente está com o dinheiro bem contado e que não posso simplesmente dizer para comprar 5 ou 6 produtos ou o outro mesmo caro que é espectacular. Porque no desespero, a pessoa se calhar até compra mesmo e passa o resto do mês em dificuldades financeiras. Além de mim, conheço uma série de bloggers que tem esse cuidado. O problema é que não sinto que sejamos a grande maioria.

 

Isto tudo assusta-me, esta despreocupação com que se mandam outras pessoas gastar dinheiro em produtos que se calhar não são os mais indicados, só porque se pode. Surge-me sempre aquela frase de que "com grande poder, vem grande responsabilidade". Não é que aconselhar produtos dermocosméticos seja um "grande poder", mas sempre que falamos em mexer no dinheiro dos outros, eu acho que é importante ter em conta que não sabemos os sacrifícios que a outra pessoa tem de fazer para seguir o que lhe aconselhamos.

 

E isto estende-se a todas as temáticas que possamos abordar em blogues. Todos os pseudo-escândalos que se criam por mais visualizações e comentários, todas as pessoas que acreditam piamente naquilo que dizemos e que passam a acreditar que é mesmo verdade. Gente, vamos ter um bocadinho mais de responsabilidade e ter em conta que o que dizemos pode influenciar outras pessoas? Vamos passar a pesquisar umas coisas antes de entregarmos mitos como factos? Eu sei que dá trabalho, mas compensa.