Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Skin Game

Blogue português escrito por uma profissional de farmácia e dedicado à dermocosmética.

Protecção solar - radiações e SPF

Está a chegar o verão e esta é uma óptima altura para fazer aqui uma semana especial sobre protecção solar (na verdade se tudo correr bem serão 15 dias, vamos ver como corre). A ideia aqui é responder às dúvidas mais comuns em relação à protecção solar, como qual o melhor tipo de protector, que protector escolher, como funciona a protecção solar, quando reaplicar e muito mais. Fiquem atentos aos posts desta semana, pois irei responder a todas elas.

 

As várias radiações

A primeira coisa a considerar quando se fala de protecção solar é na radiação. Isto porque apesar de nos anos 90 toda a gente só querer saber da radiação UV, nos últimos anos tornou-se evidente o papel das restantes radiações na pele. Portanto vamos vê-las uma a uma.

 

penetração radiação solar.PNG

 

Radiação UVB (ultravioleta-B): a radiação UVB é a principal responsável pelas queimaduras solares, sendo a radiação à qual diz respeito a classificação SPF (SPF15 protege de 93.3% de radiação UVB, SPF30 protege de 96.7% de radiação UVB e SPF50 protege de 98.3% de radiação UVB). É também responsável pelo efeito bronzeado, mas também pela carcinogénese, embora em muito menor proporção do que o UVA. Esta radiação é a principal responsável pela conversão de pró-vitamina D em Vitamina D activa.

Como proteger: filtros orgânicos como triazinas e triazonas, filtros minerais (micronizados ou não)

 

Radiação UVA (ultravioleta-A): a radiação UVA é a principal responsável pela carcinogénese, pigmentação e pelo fotoenvelhecimento. Apesar de existirem alguns sistemas de classificação de UVA em protecção solar (como o caso do PA+, PA++, PA+++ ou fazerem uma equivalência ao UVB), estas classificações não estão legisladas. Contudo, a lei Europeia prevê uma condição no que diz respeito ao rácio UVB/UVA - a protecção UVA tem de ser pelo menos um terço da protecção UVB (isto não acontece nos EUA e a grande maioria dos protectores solares americanos falham no cumprimento desta regra europeia, elevando o SPF mas não acompanhando proporcionalmente no UVA).

Como proteger: filtros orgânicos como triazinas e triazonas, filtros minerais (micronizados ou não)

 

Radiação IV (infravermelha): nos últimos 10 anos a radiação IV tem sido alvo de investigação intensa pelo facto de se ter descoberto que, tal como a radiação UV, a IV também provoca danos na pele. Explicando de forma simples, existem uma série de genes que respondem a estimulação por radiação IV, sendo que os mais releventes são os que dão origem à matriz metaloproteinase-1 que degrada as fibras de colagénio e elastina, levando à formação de rugas profundas e rídulas. Além desta degradação, descobriu-se também que a radiação IV inibe a síntese de colagénio. Já o papel da radiação IV na génese do cancro tem sido menos estudado, mas parece estar associada a formas malignas mais agressivas de cancro.

Como proteger: pigmentos inorgânicos (que têm cor, conferindo tonalidade ao produto que pode torná-los de difícil utilização), filtros minerais não micronizados (mas deixam aspecto esbranquiçado, acinzentado na pele) e/ou uma combinação de antioxidantes potentes (principalmente beta-caroteno tópico, ácido ferúlico ou extracto de grainha de uva).

 

Radiação HEV (visível de alta energia): as últimas inovações no que diz respeito à protecção solar estão a acontecer a nível da radiação visível, principalmente no que diz respeito à luz azul devido à sua capacidade de penetração na pele. A principal problemática relacionada com este tipo de radiação é a pigmentação da pele principalmente em fotótipos altos (pele mais escura), levando a situações de melasma. Além disto, foi também descoberto que a luz azul também aumenta a expressão de matriz metaloproteinase-1 e ao aumento muito significativo de espécies reactivas de oxigénio, conduzindo ao fotoenvelhecimento. Ainda não existem estudos (pelo menos do meu conhecimento) quanto à influência da HEV na génese do cancro.

Como proteger: combinação de antioxidantes potentes (por exemplo um sérum antioxidante), filtros minerais não micronizados (conferem um aspecto esbranquiçado/acinzentado à pele) e/ou óxido de ferro (tem uma cor avermelhada e confere coloração intensa aos protectores). O desenvolvimento de protecção contra este tipo de radiação ainda está muito no início, mas já começam a surgir no mercado patentes neste sentido, como o Liposhield® HEV Melanin que foi especificamente desenhado para combater a radiação HEV e é um composto de melanina fraccionada. Este ano surgiram também o Parsol® Max II e o Soliberine® que prometem oferecer protecção contra todo o espectro, incluindo IV e luz azul.

 

Como fazer a melhor protecção possível dentro desta informação? O meu conselho seria fazer uma boa protecção com SPF 30 e que tenha um bom rácio UVB/UVA (muitas marcas divulgam abertamente estes índices) e utilizar um bom sérum antioxidante antes do protector solar. Não se preocupem, haverá um post com sugestões de protecção solar para diversas situações em breve.

Cosméticos com efeito instantâneo

A dermocosmética não vive de milagres e portanto cosméticos com efeito instantâneo não significa que tenham feito realmente algo à pele, mas sim um efeito cosmético temporário. Contudo, muitas vezes tudo aquilo que queremos é um efeito instantâneo, seja porque temos algum evento importante ou queiramos apenas ver resultados no próprio momento, ocasionalmente o efeito flash é tudo aquilo que queremos.

 

cosmeticos-efeito-imediato-instantaneo-calmante-po

 

Remescar Olheiras - efeito lifting no contorno de olhos [comprar]

Não aconselho que utilizem pela primeira vez no próprio dia do evento, uma vez que o efeito lifting é mesmo visível e se for mal aplicado o efeito pode ficar estranho. Contudo, com alguma prática conseguem aprender como colocar o produto e como tirar o melhor partido dele. (sim, eu sei que supostamente o produto diz que é anti-papos e anti-olheiras, mas o melhor efeito que ele tem é mesmo de lifting)

 

Sesderma C-Vit Mask - luminosidade [comprar]

Esta já não é nova por cá, mas esta máscara é àquilo a que recorro quando quero uma pele luminosa, de preferência depois de uma máscara esfoliante. A pele fica com um aspecto radiante logo depois da máscara ser removida.

 

Bioderma Sensibio Mask - efeito calmante [comprar]

Para peles que ficam facilmente vermelhas, para peles com rosácea ou para ter no kit de SOS de maquilhadoras, esta é sempre a máscara que indico a alguém que quer combater a vermelhidão e apaziguar a pele. 

 

Esthederm Pure System - matificante e poros dilatados 

O efeito matificante deste creme é algo de extraordinário, bem como a sua acção em poros dilatados. Imaginem-me num formação depois de ter experimentado 15 cremes diferentes nas costas da mão a colocar este creme e a pele ficar instantaneamente matificada mesmo por cima de tudo o que já tinha colocado. É esse o nível que estamos a falar. 

 

Endocare Ampolas Flash - efeito lifting no rosto [comprar]

Perfeita para pessoas com mais idade e que já sentem o oval do rosto mais flácido, é ideal para usar antes da maquilhagem para um efeito de lifting e luminosidade instantâneos. 

 

Martiderm Flash Ampoules - luminosidade e hidratação 

Perfeita para peles secas e sem vida, estas ampolas dão um efeito de pele hidratada e luminosa. Confesso que em pele mista não vi nenhum resultado extraordinário, mas o feedback que tenho de peles secas faz-me achar que valem muito a pena. 

Problemas de pele do bebé - produtos a escolher

As peles dos bebés e os pânicos induzidos em pais (especialmente de primeira viagem) é uma coisa que me tem acompanhado nos últimos anos. Trago-vos sugestões de cremes que podem usar no tratamento de dermatite da fralda, crosta láctea, dermatite peri-oral, dermatite atópica e maceração da pele. Claro que acontecem várias situações complicadas e é para isso que os médicos existem, mas há muitas situações que são facilmente controláveis com cosméticos. Um dia prometo-vos que faço um post para cada uma das situações, mas por enquanto fiquem com aquilo que recomendo diariamente às pessoas que me pedem ajuda nesta matéria (amigos, leitores ou clientes do trabalho).

 

bebes fralda dentes pele atopica dermatite crosta

 

Dermatite da fralda

  • Isdin Nutraisdin Zn40 [comprar]
  • Isdin Nutraisdin AF (para dermatite da fralda complicada - usar apenas 7 dias) [comprar]
  • Bioderma ABCDerm Change Intensif 
  • Lutsine Eryplast Pasta d'água [comprar]

 

Crosta láctea (escamas amareladas no couro cabeludo)

  • Uriage Bebé Creme Crosta Láctea [comprar]
  • Bioderma ABCDerm Baby Squam [comprar]
  • Ducray Kélual Crosta Láctea [comprar]

 

Dermatite peri-oral (vermelhidão à volta da boca, muitas vezes correspondente à zona da chucha)

  • Isdin Peri-Oral
  • Bioderma ABCDerm Peri Oral [comprar]

 

Pele atópica (pele do corpo muito seca, rosto com vermelhidão e pequenos altos)

  • Isdin Nutratopic Pro-AMP rosto [comprar]
  • Bioderma Atoderm Intensive Creme [comprar]
  • A-Derma Exomega Creme [comprar]

 

Pele macerada (zonas constantemente húmidas - pregas de pele, zona da fralda)

  • Bioderma Cicabio Loção [comprar]
  • Avène Cicalfate Loção Secante [comprar]

Mitos - o que pões na pele vai para o teu corpo

Estamos actualmente a assistir a uma onda de cosméticos bio e orgânicos. Embora não discorde da existência deles, acho que as pessoas que escolhem este tipo de cosméticos devem fazê-lo pelas razões certas e não porque as companhias que os produzem decidem incutir medos infundados. Portanto hoje temos todo um post dedicado a analisar a questão que normalmente muita gente enumera como principal razão para escolher produtos bio e orgânicos e que na verdade é puro mito difundido pelas companhias que oferecem estas alternativas.

 

O que é um cosmético?

 

Temos de começar por aqui para se perceber logo à partida a premissa errada da qual se parte quando se diz que o que se põe na pele vai para o corpo. E dou-vos a definição legal actualmente vigente na Europa: «Produto cosmético» - qualquer substância ou mistura destinada a ser posta em contacto com as partes externas do corpo humano (epiderme, sistemas piloso e capilar, unhas, lábios e órgãos genitais externos) ou com os dentes e as mucosas bucais, tendo em vista, exclusiva ou principalmente, limpá-los, perfumá-los, modificar-lhes o aspecto, protegê-los, mantê-los em bom estado ou corrigir os odores corporais.

E isto é importante porquê? Por causa da zona onde o produto actua: a epiderme. Na verdade a principal diferença entre um medicamento e um cosmético é que o medicamento pode atingir a corrente sanguínea, enquanto que um cosmético não pode.

 

A epiderme

estrutura pele epiderme.PNG

A epiderme é a camada superficial da pele, aquela primeira camada que conseguem ver na primeira imagem. Ampliando, percebe-se que a epiderme é composta por camadas de células e que não há vasos sanguíneos nesta camada. Logo, se os cosméticos não atingem o sistema circulatório, os ingredientes não atingem os restantes órgãos, uma vez que é a circulação sanguínea e linfática que tratam desta distribuição.

Outra coisa a ter em conta é que a pele é um órgão que tem como uma das principais funções servir de barreira contra o meio externo. Se a pele deixasse passar tudo o que lhe metemos em cima como nos querem fazer parecer, não precisávamos de beber água, porque bastava tomarmos banho e a água passava para o nosso corpo. Isto não acontece porque a nossa pele é uma barreira muito impenetrável.

 

Absorção de cosméticos

Estou a ver a vossa próxima pergunta a formar-se na vossa cabeça: "ok, mas se as coisas não passam propriamente para dentro do nosso corpo, então quando os cremes são absorvidos vão para onde?". Os ingredientes que a pele "absorve" ficam na epiderme e vão sendo eliminados juntamente com as células mortas que vão descamando naturalmente.

Para perceberem este processo, remeto-vos de novo para a imagem da epiderme: a camada que contém as células mais novas e ainda vivas é a que está em baixo e conseguem ver que essas células novas têm a forma normal e um círculo que representa o núcleo. À medida que vão olhando cada vez mais para cima, percebem que as células vão ficando achatadas e perdendo o núcleo, o que significa que se tornam células mortas. Este é o processo natural que as células da pele vão seguindo. As células novas aparecem em baixo e vão empurrando para cima as células antigas, que lentamente se vão degradando e morrendo - isto faz com que haja uma migração das células da parte de baixo onde são células vivas até ao topo onde descamam naturalmente (ou então damos-lhes uma ajuda com esfoliantes). Os cosméticos que são absorvidos pela pele vão tentando descer pelos espaços entre as células - mas têm de considerar que estes espaços são muito apertados e não foram desenhados para deixar passar nada, são uma camada protectora. Então, eventualmente os ingredientes que conseguiram ir descendo, chegam a um ponto em que não descem mais e ficam por lá. Eventualmente o espaço onde ficaram acaba por chegar à superfície e eles descamam juntamente com as células.

Assim, os ingredientes "absorvidos" pela pele acabam por sair juntamente com as células, o que significa que nunca foram realmente absorvidos pelo corpo. Mais uma vez, não atingindo a circulação sanguínea eles não são distribuídos pelo corpo e não podem afectar outros órgãos. Além disso, muitos ingredientes têm moléculas tão grandes que apenas actuam à superfície da pele, nem chegando realmente a penetrar pelos espaços entre as células.

(notem que esta explicação é altamente simplificada e o processo é mais complexo do que vos explico aqui, mas a ideia é que percebam o mecanismo geral)

 

"O que pomos na pele vai para o nosso corpo"

Chegando a esta parte já fica fácil de perceber. O nosso corpo tem dois sistemas de distribuição (os canais linfáticos e os vasos sanguíneos) e a única forma de algo ser distribuído pelo corpo é atingir um destes dois sistemas. Um cosmético, por definição, não pode atingir nenhum deles, portanto a distribuição pelo corpo não acontece.

Aquilo que pomos na nossa pele só atinge, portanto, a camada superficial da pele que é principalmente constituída por células mortas e os poucos ingredientes que têm dimensões suficientemente pequenas para irem passando pelas camadas de células acabam por descamar juntamente com elas pelo processo natural de renovação celular da pele.