Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Skin Game

Blogue português escrito por uma profissional de farmácia e dedicado à dermocosmética.

Review: Pixi Glow Tonic

glow_tonic_pixi_glycolic_acid_toner_ácido_glicoli

 

Tipo de produto: tónico esfoliante
Função: esfoliante, renovação celular, prevenção do envelhecimento
Ingredientes principais: aloé, hamamelis, ácido glicólico (5%), extrato de ginseng
Quando usar: após a limpeza

 

Textura: líquido
Aroma: floral, mas suave

 

Embalagem: frasco de plástico com tampa
Quantidade: 250 ml

 

Preço: 25€
Onde comprar: Cult Beauty, Look Fantastic

 

Muitas vezes perguntam-me "e que tónicos é que recomendas?" e eu tenho de embarcar na jornada de explicar que, do meu ponto de vista (que é partilhado por muita gente) os tónicos são um produto dispensável a menos que tenham ácidos. Não precisam de ir muito longe, a Sara do Make Down discorda plenamente de mim e não há mal nenhum nisso. Mas para mim a menos que haja algum tipo de ácido na fórmula, o tónico é um passo perfeitamente dispensável. Dito isto, este tónico tem ácido glicólico a 5% portanto é cá dos meus. 

 

Este já não é o primeiro tónico esfoliante que utilizo. Na verdade, cá em casa existem 4 diferentes (Clarins, Ducray, Pixi e Alpha H), só que eu tenho um problema muito específico com dois deles: não indicam a concentração de ácido glicólico. E isto é importante porque o ácido glicólico tem de ter concentração superior a 4% para ter as propriedades esfoliantes e de renovação celular que são anunciadas juntamente com ele, ou então é apenas aquilo a que se chama de "claims ingredient" - ingredientes que só servem para o marketing e não para a pele. Por isso tenho deixado esses de lado e tenho apostado em produtos que indicam a concentração. Ora e então como é que isto funciona? O ácido glicólico é um esfoliante químico e, se pensarem nas células como tijolos, ele vai ajudar a degradar o cimento que as une e promove a esfoliação destas. Este tónico deve ser utilizado em dias alternados, embebendo um disco de algodão que é passado no rosto já limpo. Em concentrações mais elevadas o ácido glicólico actua como despigmentante, mas não acho que este produto funcione nesse sentido.

 

Quando comparado com os que tinha utilizado anteriormente (Clarins e Ducray), neste o facto de ele ter ácido glicólico nota-se mais. Ou seja, é normal sentir uma espécie de formigueiro na pele depois de o utilizar e se passarem por cima de pele comprometida é uma festa. A minha pele já está relativamente habituada ao ácido glicólico, por isso não é normal sentir muita coisa, mas peles que nunca usaram vão provavelmente notar esse efeito.

 

Em relação a efeitos, noto algumas coisas: primeiro desde que comecei a utilizar ácido glicólico as minhas rídulas na testa diminuíram consideravelmente (pelo menos na aparência) e tenho tido menos problemas com borbulhas. Elas aparecem, é certo, mas desaparecem muito mais rapidamente e não deixam marca. A pele tem um aspecto muito mais uniforme e suave e a absorção dos produtos está muito melhor. A única chatice para o Glow Tonic é que agora experimentei o Liquid Gold da Alpha H e gosto um bocadinho mais do que deste, mas considerando os preços de ambos os produtos, o Glow Tonic continua a ganhar e vai ser provavelmente aquele que vou manter cá por casa.

12 comentários

Comentar post