Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Skin Game

Blogue português escrito por uma profissional de farmácia e dedicado à dermocosmética.

O marketing e o hábito de fazer as pessoas sentirem-se mal

Para quem não sabe, eu faço a parte da comunicação da YOUTH LAB., o que implica que aquilo que é dito pela marca nas redes sociais e em press releases passa grande parte das vezes pelas minhas mãos. Não sou de marketing e vim aqui parar de pára-quedas, mas há um hábito na indústria que tenho tentado combater à força toda na comunicação que faço: eu não quero fazer as pessoas sentirem-se mal de forma a terem a necessidade de comprarem os produtos da marca. Eu quero que as pessoas comprem a marca por amor ao produto e não por ódio a si próprias.

 

Vamos ver aquilo que é geralmente um caso de estudo do marketing: a Veet na China.

Na China os produtos da Veet não se vendiam - primeiro porque não existem propriamente muitas pessoas hirsutas e segundo porque os pêlos corporais não eram um estigma social. E então uma empresa resolveu o assunto: criou uma série de anúncios que focavam o quão mau era o facto das pessoas terem pêlos e o facto de que os homens chineses gostavam muito mais de mulheres depiladas. O que não era verdade, mas se ouvirmos uma afirmação muitas vezes, começamos a achar que ela é verdade (os homens, que foram convencidos de que tinham de se juntar à sua irmandade e apreciar uma pele depilada, exigindo isso das mulheres, quer como as mulheres que começaram a sentir-se mal por terem pêlos). E foi assim que a China se tornou no mercado em maior crescimento de produtos depilatórios. Isto é a versão resumida, mas podem ler mais sobre o assunto aqui. Acho piada que a pessoa ainda tem a lata de dizer "não interessa quantos pêlos uma pessoa tem, interessa o quanto se preocupa com eles... se se preocupar o suficiente, um já é demais".

 

Isto para referir que, muitas vezes, o marketing é uma área sem escrúpulos. A minha marca tem um produto anti-celulítico, mas eu não o comuniquei como "quer um corpo pronto para ir para a praia? Então tem de usar isto!". Um corpo pronto para ir à praia é um corpo de uma pessoa que quer ir à praia, ponto. Não vou insultar ninguém para vender anti-celulíticos. Também não vou dizer a ninguém que "a idade é uma escolha" (juro que vi isto num outdoor ainda esta semana, mas já não me lembro qual era a marca). Chegar a uma idade avançada é um privilégio que infelizmente não é concedido a todos. Pode acontecer que uma pessoa não se reveja na idade que aparenta, e aí pode tentar combater os sinais de envelhecimento, pode simplesmente não gostar de os ver, mas não tem de se sentir mal por estar a envelhecer. Se não gosta do aspecto das rugas, então ok, temos aqui hidratantes e séruns que podem ajudar nesse aspecto. Mas não quero dizer a ninguém que tem de se envergonhar por ter "a cara naquele estado" e obrigá-la a gastar dinheiro que não quer em produtos.

 

Sabem qual é o produto que tenho mais facilidade em vender? Protectores solares. Convenço e converto imensa gente a protectores solares porque se existe uma maneira de tentar prevenir melanoma, então eu quero que as pessoas tentem preveni-lo. Acho mesmo que a posição das marcas de cosmética deveria ser esta: ajudar as pessoas a sentirem-se bem, sem ter de as envergonhar primeiro. E lamento fazer parte de um mundo que não concorda com esta premissa e que não olha a problemas quando chega a altura de vender.

Sugestões para o Dia da Mãe

 

Costumo detestar aquelas sugestões para o Dia da Mãe que só incluem coisas que alguém decidiu classificar como sendo "de mulher". Desculpem, mas a feminista dentro de mim fica louca sempre que vejo robôs de cozinha nas sugestões para o Dia da Mãe e não as vejo para o Dia do Pai. Quer porque o lugar da mulher não é na cozinha, quer porque há imensos homens que gostam de cozinhar.

 

Gosto de incluir coisas mais variadas nas sugestões para o Dia da Mãe: um Kobo para ler ebooks em qualquer lado sem precisar de os carregar a todos na mala, um livro da Chimamanda Ngozi Adichie porque é a minha escritora preferida (e a da minha mãe), alguma maquilhagem, uma máquina fotográfica, acessórios para desporto, um óleo de qualidade digna de uma mãe, kit da The Body Shop e alguma joalharia. Gosto de tentar abarcar vários estilos de personalidade, que lá por uma pessoa ser mãe e mulher não significa que tenha automaticamente de gostar de certas coisas.

 Capture.PNG

Espero que gostem das sugestões!

Vídeo: novidades Abril 2016

 

Isto de escrever posts está complicado, mas hoje cheguei a casa e resolvi gravar um vídeo com os produtos mais recentes cá por casa. O vídeo tem 20 minutos - é o que acontece quando o vídeo anterior, que foi gravado há um mês, ficou impossível de utilizar. Podem sempre usá-lo para vos fazer companhia enquanto limpam a casa ou lavam a louça (não estou a brincar, eu pego nos vlogs da Hirons e ponho-os a dar enquanto lavo a louça).

 

Aqui fica a lista dos produtos mencionados:

Victoria's Secret Pure Seduction Body Butter
The Body Shop British Rose Body Butter
Bomb Cosmetics Mint Choc Chip Shower Butter
Tony Moly Banana Hand Milk
Youth Lab Restoring Serum
Youth Lab Daily Sunscreen Gel Cream SPF50 PA+++
Boots Serum 7 Beauty Serum
Roc Pro Correct Fluide Anti-Rides Régénérant
The Body Shop Oils of Life Sleeping Cream
MartiDerm - Solução micelar, gel de limpeza micelar e óleo de limpeza
Sephora Shea Butter Lips
Avanheart One 4 All Pink Summer
Pincéis Argent Makeup

Notas soltas - alguns dos meus livros favoritos

A Fnac está com 20% de desconto em livros e resolvi trazer-vos alguns dos meus preferidos e pedir-vos algumas sugestões. Tirando BD, tenho andado sem vontade de pegar em livros, por isso aceito sugestões. E se não conhecem Chimamanda Ngozi Adichie, façam-me um favor e tratem de comprar o Americanah, sim? É só clicar em cima da imagem para irem directamente para a página do livro.

Pág. 1/3