Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The Skin Game

Blogue português escrito por uma profissional de farmácia e dedicado à dermocosmética.

Hiperqueratose folicular - o que é e como tratar

Antes de passarem este post à frente, leiam só a definição. É que eu própria não sabia que tinha isto até há uns 2 anos atrás e sei que muita gente nem sequer sabe que isto é "uma coisa".

 

O que é a hiperqueratose folicular?

 

É uma condição de pele inofensiva, caracterizada por pequenos altos na pele que dão o efeito "pele de galinha" e/ou de pele rugosa. Essas elevações na pele podem ser vermelhas ou castanhas e ocorrem frequentemente na zona superior do braço ou nas costas, É causada por excesso de queratina na porção superior do folículo piloso, não permitindo a esfoliação normal das células mortas. Essas células mortas acumulam-se e formam então os pequenos altos na pele que acabam por dar o aspecto rugoso. Esta é uma condição genética e pode desaparecer expontaneamente, mas na maior parte dos casos um tratamento contínuo melhora o aspecto da pele..

 

Como tratar a hiperqueratose folicular ou "pele de galinha" permanente?

 

Não é possível curar a hiperqueratose folicular, mas existem tratamentos de manutenção que podem ajudar a controlar a situação. Uma vez que o principal problema é a dificuldade na esfoliação, pelo que geralmente se utilizam cremes ou loções à base de alfa-hidroxiácidos, ácido salicílico e ureia. É aconselhável fazer a higiene da pele com um produto de limpeza sem sabão e pode ser utilizada esfoliação física.

 

Quais os melhores produtos para tratar a hiperqueratose folicular?

 

Actualmente já existem umas quantas opções no mercado, pelo que deixo-vos algumas:

hiperqueratose_folicular_borbulhas_vermelhas_braç

 

 

Como referência, e como de costume, deixo-vos a minha opção pessoal neste caso: SVR Xérial 30. É o que uso actualmente e tenho visto resultados.

Review: Pai Skincare Rosehip Bioregenerate Oil

pai_skincare_rosehip_oil.PNG

 

Tipo de produto: óleo
Função: regenerar a pele e combater rídulas
Ingredientes principais: óleo de rosa mosqueta (ómegas 3, 6, 7 & , carotenóides)
Quando usar: à noite como último passo da rotina

 

Textura: óleo seco
Aroma: não sei a que cheira, mas o aroma é um pouco desagradável, geralmente descrito como amargo

 

Embalagem: frasco de vidro com conta-gotas
Quantidade: 30 ml

 

Preço: 28€
Onde comprar: loja online da Pai Skincare

 

pai_skincare_rosehip_oil_2.PNG

 

Há muito que andava para comprar um óleo para rosto, mas  quando encontrei este da Pai Skincare soube que seria este que iria comprar. É essencialmente composto por óleo de rosa mosqueta e é rico em ómegas e ácido trans-retinóico, além de ser adequado para pele oleosa e sensível. Em termos de características organolépticas é um óleo de cor laranja, com um aroma um tanto ou quanto desagradável (expectável em óleos que não levam fragrâncias adicionadas) e com uma espalhabilidade não muito boa. Não esperem encontrar aqui um óleo luxuoso e indulgente, não é por aí que a Pai Skincare trabalha nem pagam o suficiente para isso. Este é muito simplesmente um óleo de tratamento que realmente funciona e que ainda por cima resulta bem em todos os tipos de pele.

 

A minha experiência com ele é facilmente descrita de maneira muito simples: ajuda a eliminar as borbulhinhas que costumo ter pela testa fora sem me deixar a pele oleosa. A minha testa é muito complicada e raramente aceita hidratantes de qualquer tipo (o Balance da Youth Lab é o único até agora que funcionou) e deu-se muito bem com este óleo. Sinto a pele mais hidratada, mais limpa em termos de micro borbulhinhas e mais estabilizada. E a verdade é que isso era tudo o que eu precisava deste óleo, portanto estará para sempre na minha lista de recomendações.

 

Gostava que o aroma fosse mais agradável e que a espalhabilidade fosse melhor, mas muito honestamente, a partir do momento em que funciona e não é insuportável, eu consigo viver bem com isso.

Como organizo os meus produtos

Estava a ver uns vídeos no YouTube e lembrei-me de vos mostrar a minha colecção de coisas cá por casa. Podem chamar-me tresloucada, não tem mal, as minhas amigas acham o mesmo, mas a verdade é que sou blogger há 5 anos e não compro (nem de perto, nem de longe) tudo o que aqui vêem. Recebo imensa coisa, tenho amigas que trabalham em farmácia que me oferecem produtos que não são adequados para elas e tenho amigos e família mãos-largas.

 

quarto_3.PNG

Começamos pela cómoda no meu quarto. Tento sempre manter só os essenciais disponíveis porque a acumulação de pó é uma coisa que me aflige e ele parece que brota dos móveis exactamente 3 segundos depois de termos acabado de limpar a casa. É altamente provável que aquilo que neste momento se encontra à vista seja completamente diferente do que vai estar lá daqui a uma semana.

quarto_1.PNG

 Aqui em mais pormenor, para verem o que está no compartimento dos cuidados de rosto. A organização é à base de acrílico e tenho um conjunto de caixas do Ikea, dois módulos de duas gavetas da Muji (são empilháveis e gosto mais destes de duas gavetas por terem gavetas mais altas do que as do módulo de cinco), dois organizadores de batons do Espaço Casa e uma caixa de uma loja aleatória que há na Maia e na qual só entrei no dia em que comprei aquilo.

quarto_2.PNG

E onde é que está o resto que não está à vista? Na segunda gaveta da cómoda, dentro de uma caixa. Assim é só pegar neles sempre que os quero e não precisam de ficar a apanhar pó em cima da cómoda.

 

Passando ao WC, que é pequenito, tenho as coisas em três locais: banheira, lavatório e armário do lavatório. Preferia não ter nada guardado no WC, mas a verdade é que vivo num T1 e a casa não estica, por isso tenho de arrumar as coisas onde posso.

 

wc_3.PNG

O lavatório tem maioritariamente produtos de limpeza de rosto, um ou outro produto de corpo e algumas coisas de cabelo. Mais uma vez é um sítio que tento manter com poucos produtos por motivos de acumulação de pó.

 

wc_4.PNG

Uma pausa para admirar o sabonete em forma de Death Star que veio da Comic Con.

 

wc_1.PNG

O stock da banheira, que na verdade não tem muito por onde inventar: gel de banho, esfoliantes, produtos para o cabelo e pouco mais. A única coisa de diferente aqui é o facto de eu ter várias versões de cada um deles.

 

wc_2.PNG

E o stock que está no armário do lavatório. Mantenho principalmente os hidratantes de corpo aqui e alguns produtos de tratamento mais específico como alguns de cabelo e produtos para a dermatite atópica.

Review: Gift Box para pele oleosa a mista da Youth Lab

gift_box_youth_lab_oily_balance.PNG

Por esta altura já devem estar cansados de saber que eu trabalho com a Youth Lab. Contudo, acho que já sabem que esta não é uma review de "tenho de falar bem porque trabalho com a marca", mas sim um caso de "trabalho com a marca porque ela é realmente boa e não é por estar a trabalhar com ela que vou deixar de falar nos produtos".

 

Porque sim, vou falar bem de produtos da minha marca. Mas é porque eles são realmente bons (se não acreditarem podem sempre googlar para perceberem que não sou a única a dizer isto).

 

A gift box da Youth Lab traz 3 produtos por 29,90€: um gel de limpeza, uma escova esfoliante e um hidratante. Esta é a versão para pele mista a oleosa, mas existe a versão para pele normal.

 

Daily Cleanser Combination_Oily Skin: este produto foi reencaminhado para o meu namorado uma vez que a) ele já tinha experimentado e tinha gostado muito e b) porque eu não uso gel de limpeza no rosto já que prefiro as texturas em óleos ou bálsamos de limpeza. Como ele tem a pele bastante oleosa, fica contente com os resultados obtidos: uma pele fresca e limpa, sem no entando ficar demasiado limpa e sem protecção. Apesar de dizer que é para pele mista, eu considero que este gel é bom para pele oleosa, já que ele limpa mesmo bem a pele (a minha pele com esta versão fica um pouco a repuxar e dou-me melhor com o gel para pele normal). Como contém uns ingredientes giros, como aminoácidos e ureia, faz com que a pele não fique desprotegida após a limpeza, por isso e apesar da textura em gel não ser claramente a minha preferida, este é um bom gel de limpeza e uma boa opção caso essa seja a vossa textura preferida.

 

Beauty Tool: esta é uma escova de esfoliação física bem diferente daquilo a que estava habituada. Já tinha tido uma parecida, mas era demasiado agressiva para a minha pele e o processo não se tornava confortável. Com esta, por outro lado, consigo facilmente fazer uma esfoliação diária sem correr o risco da minha pele ficar desconfortável. A utilização é simples, uma vez que basta colocar o produto de limpeza no rosto e depois utilizar a escova em movimentos circulares (eu tenho-a usado com o óleo de limpeza da TBS e resulta às mil maravilhas, mas o meu namorado já a usou com o gel de limpeza e adorou o resultado). A única coisa de que gostava era mesmo que viesse sem tampa de protecção, já que facilita crescimento bacteriano e fúngico - razão pela qual a tampa foi logo removida cá em casa e a escova habita agora alegremente no copo das escovas de dentes, para secar devidamente. Continuo a preferir a minha esfoliação química com ácido glicólico, mas nos dias em que simplesmente sinto que necessito de uma limpeza mais a fundo gosto muito de a utilizar, já que a esfoliação é suave e fico mesmo com a sensação de pele limpa.

 

Balance Moisture Cream: este hidratante, a par do Deep Moisture para peles secas e o Restoring Serum, é um dos meus produtos preferidos da marca. É um hidratante para peles mistas a oleosas, só que não é simplesmente um hidratante matificante como a grande maioria. Para começar tem logo ácido salicílico e ácido hialurónico, tornando-o um hidratante queratolítico (faz uma leve esfoliação) que não permite que a pele fique desidratada por causa do ácido hialurónico de baixo peso molecular. Além disso tem glicerina e niacinamida, para garantir que a pele fica protegida e óleo de jojoba para garantir nutrição da pele sem efeitos comedogénicos. Resumo? É um hidratante muito completo para peles mistas a oleosas e o único até agora que a minha testa tolerou sem explodir em dezenas de microborbulhas.

Pág. 2/2